Aterro

Jorge Aguiar Oliveira

A sucessão de actos em Aterro sugere uma aproximação da literatura ao teatro sombrio e desolador da era contemporânea.  No encalço de obras anteriores como Ranço, Jorge Aguiar Oliveira traça uma geografia da decadência e da putrefacção, alicerçada na construção de cenários poéticos poliédricos, escatológicos, apocalípticos, povoada mais pela máquina humanizada do que pela acção humana, esta cada vez mais mecanizada, entorpecida e alienada, agrilhoada a uma nova ética da vigilância, disfarçada de conexão e leveza, dentro da qual tudo o que se movimenta “deve ser domesticado-amestrado logo de início”. O negrume ácido destes poemas, assomado por imagens densas e hostis, ritmos sulfúricos, disrupções sintácticas e morfológicas, colocam-nos perante uma voz irreverente e inquieta, que não só não receia nenhum confronto com o desconforto em que nos coloca, como, aliás, parece disposta a assombrar-nos com as suas visões de um mundo em decomposição, feito de despojos poluídos com a promessa de um progresso triunfal.

 

Nas Livrarias: segunda semana de Junho de 2022.

Excerto

no aterro da sina
perdeu a mamã
na explosão à sua beira

abandonado
de braços mutilados
o miúdo não mais
sentou o rabo no baloiço
e, o berlinde pràli ficou
inútil no bolso
do resto do tempo

só as joaninhas
continuaram a saltar
à corda
defronte a’olhar

 

(   MIÚDOS COM AZARES DENTRO ]

Nota de leitura

Ficha Técnica

ISBN: 978-989-9007-75-8

Colecção: azulcobalto 

Dimensões: 13×18cm

Nº páginas: 184

Ano: 2022| Maio

Nº edição: 263

azulcobalto # 109

Género: poesia

PVP: 17 €

Autor