O Nome do Mundo 1969-2019

José Amaro Dionísio

O livro integra, revistos, os textos anteriormente publicados pelo autor: Notas sobre a Circulação de um Corpo; Bardo; Todo o Alfabeto dessa Alegria; A Sombra do Sangue; Nada Serve; Vais por um Caminho muito Estranho; Walther, 9mm, e o breve conjunto inédito Vem.

 

No capítulo intitulado “A Sombra do Sangue”, são reproduzidas 4 pinturas de Eduardo Batarda.

 

O livro é publicado com uma Separata, com 72 páginas, que integra:

Nota biobibliográfica do autor escrita pelo próprio para a edição de O Nome do Mundo 1969-2019, Companhia das Ilhas, Junho de 2019.

Dossier de imprensa, elaborado pela Companhia das Ilhas.

 

Manuel de Freitas: Exceptuando Os Passos em Volta de Herberto Helder e alguns textos de Carlos de Oliveira, poucas vezes a prosa tornada poesia atingiu tão certeiramente o coração das trevas (Incipit).

 

Excerto

S de solidão

Solidão é uma palavra obscena. É mesmo a única palavra irremediavelmente obscena de que já ouvi falar. Cheira a atropelos, pudor, colhões, e tenho medo. Medo – um homem pode dar por si a cometer crimes sem grandeza. Assassinar, por exemplo. Princípios superlativamente adolescentes. Prefiro a decomposição da pele, uma taberna entre cabeços, o petróleo de candeeiros que projectem sombras imóveis, recantos, pequenos estrumes. E já agora, se me dão licença, um frio de certo modo inculto a bater no vidro da janela, nos ossos, talvez nos ossos quando se acaba o dinheiro. Mas é humano, bárbaro e humano. Uma espécie de sinfonia entregue ao poder de cada qual, arrecadações da alma, mansas. E dardejante o círculo azul de um copo de aguardente, aguardente, imagine-se, a saltar dentro de si, a subir, a subir, e um homem dizer, imortal: senta-te, copo. Bebe comigo. E ele senta-se e bebe. É remoto, quase no outro lado das trevas. Mas magnífico, oh, tão magnífico. E ainda há quem me fale de escritores, romances, e até de revoluções. Balelas. Quero uma nora que pare o mundo rente ao fogo do inferno. E a água detida, doente, de preferência afogada pela mão de Deus a arder. Nada de riscos. Eis do que falo. Precário, inviolado, entregue ao soalho.

Nota de leitura

Em 2015, o poeta e crítico Manuel de Freitas, reuniu textos (Incipit, Averno) sobre poetas de sua eleição. A páginas 73-78, sobre José Amaro Dionísio: «(…) A estreia de José Amaro, que viria a assinar os seus livros posteriores com o nome José Amaro Dionísio, deu-se em 1978 e constituiu uma das mais convincentes revelações literárias ocorridas nos anos que se seguiram ao 25 de Abril. (…) , o “copo de aguardente” que serve de tema ao texto 17 reenvia-nos inevitavelmente para o desespero em estado bruto – lapidadamente bruto, reconheçamos – de “S de solidão” (Todo o Alfabeto dessa Alegria, Lisboa, Salamandra, 1985), onde voltaremos a encontrar o brilho baço e o “círculo azul” em que se condensa, para alguns, o inferno. E julgo, com isto, estar a referir um dos mais belos e impressivos “poemas em prosa” portugueses da segunda metade do século xx. Exceptuando Os Passos em Volta de Herberto Helder e alguns textos de Carlos de Oliveira, poucas vezes a prosa tornada poesia atingiu tão certeiramente o coração das trevas. Poder-se-ia mesmo argumentar que só por uma violenta forma de pudor (ou de repulsa?) José Amaro Dionísio não recorre à disposição gráfica que nos habituámos a identificar como poesia. De resto, o aviso é-nos feito em Notas sobre a Circulação de um Corpo com a máxima clareza: “rumor de poesia não contemplavam já seus sentidos extintos.” (p. 31). Prova, enfim, de que a melhor poesia pode assentar numa recusa frontal da Poesia, entendida esta como o distraído e oficinal embelezamento de um mundo que diariamente nos promete (e garante) o pior. // “Mas ruas não descobri por inventar”, diz-nos José Amaro. “É este o tempo, e está irremediavelmente circulado o corpo.”»

Ficha Técnica

ISBN: 978-989-8828-76-7

Dimensões: 14×22cm

Nº páginas: 312

Publicação: 2019 | Junho

Edição: # 165

Género: Narrativa

Colecçãoazulcobalto # 069

PVP: 17,5 euros

 

SEPARATA

Dimensões: 13,5×17cm

Nº páginas: 72

NÃO PODE SER VENDIDA SEPARADAMENTE.

Press-kit

Autor