Nem tudo no mar é água

Ana Paula Martins Goulart

Em Nem tudo no mar é água, a autora conta estórias da sua meninice, passada na ilha do Faial, onde nasceu, em 1958, e do Pico, espaço-tempo de férias. O seu olhar, que é tanto ingénuo quanto mordaz, mostra ao leitor de hoje um mundo rico e multifacetado onde o mar, o oceano Atlântico, tem uma presença muito forte, a memória recente dos vulcões (o sismo dos Capelinhos no Faial é de 1957), a vida familiar, as dificuldades do isolamento insular e do contexto nacional (o salazarismo). Um tempo a redescobrir por uma escritora que faz nesta obra a sua primeira incursão literária.

 

Excerto

Às vezes as ideias vêm de dentro. E uma cadeira ou uma rede de pensar ajudam muito. O importante é estar alerta.

Nota de leitura

[…] É um relato de memórias da infância da autora, nas ilhas do Faial e Pico. Pode ser lido como um romance, embora os capítulos tenham a independência de crónicas; aliás, a autora não é uma escritora, embora este livro possa ser considerado literatura. A propósito, a autora escreve bem, enquanto há escritores que nem por isso.

Não é fácil falar da realidade regional sem laivos etnocêntricos e trejeitos delicodoces do género: “Somos muito pequeninos e ultraperiféricos mas os melhores do mundo e é injusto não saberem da nossa existência”. Esta autora consegue que leiamos este livro como se fossem histórias de uma criança da Dinamarca ou da China, isto é, trata-se de um texto verdadeiramente universal.

Estão lá as nossas brincadeiras da infância, as nossas cantilenas, o nosso vocabulário (o livro traz um glossário, no fim), a nossa mundividência. Todos nós, açorianos, que fomos crianças antes do 25 de Abril, nos reconhecemos aqui. Todavia, tudo flui com toda a naturalidade, sem aquela sensação de obrigatoriedade académica em esgotar o tema.

Não é fácil falar do mundo da infância sem desrespeito pela integridade da criança enquanto ser em si, e não como adulto imperfeito. Ana Paula Goulart é de tal modo exímia neste campo que muitas páginas deveriam ser usadas nas aulas de Filosofia para Crianças (sirva de exemplo o Cap.3: “Carnaval”, mas há muito mais). São muito poucas as vezes em que se esquece de ser a criança que foi, assumindo a voz da adulta que agora é – e estas ocorrências são defeitos da narrativa, porque introduzem uma indeterminação que retira robustez e consciência literária (pp. 80-82, por exemplo).

Mas aquilo que verdadeiramente torna esta leitura altamente recomendável é a felicidade que transborda por cada página. Não há ressentimentos, nem traumas, nem dedos apontados a seja quem for. É, neste sentido, um texto redentor; é, em todos os sentidos, um texto redentor, conseguindo, Ana Paula Goulart, transmitir ao leitor a sua paz interior, a sua metanoia, o oiro do primeiro contacto com o mundo, recolhido ao entardecer da vida.

É um discurso acerca do amor, do amor pleno sobre todas as pessoas e todos os seres: as ilhas, o mar, os cães, os gatos, os coelhos; a pesca, os pobres e os ricos, sem justificações complexadas (diz-se sempre “criadas”, em vez do politicamente correto, mas falso, “empregadas”). Tudo é aceite com bonomia, tudo. Não há sentimentos negativos neste livro, o que não significa que a autora siga a teoria do Bom Selvagem, mas apenas que aceita a realidade tal e qual ela é, e é assim que a ama. […]

Mário T Cabral, em jornal Correio dos Açores, 2 de Outubro de 2016

 

Ficha Técnica

ISBN: 978-989-8828-08-8

Dimensões: 14x22cm

Nº páginas: 264

Ano: 2016, Junho

Edição: # 086

Género: Ficção (romance)

Colecção: transeatlântico # 017

PVP: 16 €

Press-kit

Download Pdf

Autor