Cordas de Areia

Ana Paula Martins Goulart

Este livro é um livro de encontros e de reencontros.
Se for um reencontro, em companhia da “Menina”, os leitores vão continuar a percorrer as “Ilhas Caganitas”, navegando pela “Terceira Ilha”, para depois se perderem no fundo de armários e nos esconderijos secretos, escondidos atrás dos grandes aparadores. Com sorte, até poderão assistir a uma “Guerra no Cemitério”!
E, de quando em vez, vão apear-se na “Cadeira de Pensar”, a tal que para rodar só precisa do impulso certo, movendo-se então bem mais depressa do que o velho globo, aquele que chia muito, porque afinal carrega sobre ele todos os países cor de sépia e mais a terra dos poetas.
«Será que foi um abalo de terra?»
Vão conhecer outros animais das profundezas (que às vezes nos saltam para o regaço), ressentir o fascínio do raio verde se o tempo for tempo de poente e, por um bocadinho, sonhar ao som dos bandolins, saboreando uma laranjada do “Sr. Raimundo”.
Mas se este livro for para o leitor o primeiro encontro, vai achar: exactamente o mesmo! Com uma única diferença – temos de lhe dizer, num escuto, que esta história não começa aqui; começou muito mais longe, quase em “Nólins”, do outro lado da Terra, nas páginas-vagas de um livro chamado Nem tudo no mar é água.
Em 2016 Ana Paula Martins Goulart publicou na Companhia das Ilhas um inesperado e apaixonante Nem tudo no mar é água, onde deixou estórias da sua meninice, passada na ilha do Faial, onde nasceu, em 1958, e do Pico, espaço-tempo de férias. Cordas de Areia é mais um encontro com esse tempo-memória.

Excerto

Nota de leitura

Ficha Técnica

ISBN: 978-989-8828-32-3

Dimensões: 14×22cm

Nº páginas: 264

Ano: 2017 | Maio

Nº Edição: 105

Colecção: transeatlântico # 023

Género: Ficção | Romance

PVP: 15 €

Press-kit

Download Pdf

Autor